Entre em contato conosco

Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro, tem cobertura metálica móvel

  • Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro, tem cobertura metálica móvel

Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro, tem cobertura metálica móvel

05 julho, 2016
Por : Instituto IDD
Comentários : 2

Edifício tem estrutura dinâmica que se movimenta automaticamente durante o dia para buscar a luz do sol e produzir energia.

Concebido pelo arquiteto espanhol Santiago Calatrava, o Museu do Amanhã apresenta uma estrutura de concreto com formato curvilíneo único e uma cobertura metálica com balanços de 70 m e 65 m.

O museu faz parte do Programa Porto Maravilha, projeto da Prefeitura do Rio de Janeiro de revitalização da região portuária. Incorporado ao Programa em 2009, o Museu foi realocado para um ponto privilegiado: um píer cercado de água em frente à Praça Mauá.

Além da equipe do arquiteto espanhol, o escritório brasileiro Ruy Rezende Arquitetura participou detalhando e gerenciando o projeto, além de mais 33 escritórios realizando assessoria e projetos complementares, e outros 20 desenvolvendo a museografia. "São muitas disciplinas, é um museu muito tecnológico, com automação que tem que funcionar perfeitamente. A compatibilização foi complexa, e por isso o projeto foi desenvolvido em BIM", conta Fabíola Amaral, arquiteta da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (CDURP), complementando ainda que, mesmo luminárias embutidas no concreto precisaram ser detalhadas com precisão. “Não podia errar, porque não poderia quebrar o concreto”.

Mas o grande destaque arquitetônico do projeto ficou para a cobertura. O projetista Flavio D Alambert, da Projeto Alpha Engenharia de Estruturas, explica que a estrutura metálica tem mais de 330 m de comprimento e é ancorada somente em dois pontos fixos - os demais apoios permitem deslocamentos horizontais, evitando a introdução de esforços devido ao trabalho de dilatação do conjunto. Assim, as asas metálicas na cobertura são móveis, e a própria cobertura flui sobre a estrutura, criando dois balanços, um de 65 m outro de 70 m, que sombreiam a edificação.

Para executar esses balanços e vãos com poucos apoios, além dos elementos mecânicos incorporados, foi necessário voltar a especificação do material para o aço. "São 1,2 mil t de partes móveis girando durante o dia, conforme a orientação solar", explica André Pestana, da Martifer, responsável pela fabricação e montagem da cobertura e caixilhos.

A estrutura principal - veio da cobertura - contém 48 asas, cada uma tendo de 20 a 30 aletas, que carregam em sua face superior os painéis fotovoltaicos. "Nesse veio é montado o sistema de macacos hidráulicos, cerca de 200, que fazem girar por W11 sistema mecânico e elétricoautomatizado", explica Pestana. As aletas giram em torno de dois eixos para acompanhar o posicionamento do sol e otimizar a captação. Ao todo, são 5.492 unidades de painéis de células fotovoltaicas divididos em 24 módulos, que produzem 247,9 MWh/ano

Para permitir menor absorção do calor, a estrutura metálica também foi pintada de branco. "Com o revestimento térmico, seu desempenho se compara ao já consagrado uso de telhas de aço em grandes coberturas", afirma Flavio D Alamber.

Confira mais imagens aqui:

 

Achou relevante essa informaçãoCompartilhe com seus amigos e deixe a sua opinião nos comentários!

Nos acompanhe também pelas redesFacebookLinkedinInstagram e Twitter.

 

Fonte: techne

iengenharia

EXPANDA SEU CONHECIMENTO
RECOMENDADO PARA VOCÊ
Deixe seu comentário
  1. Luiz C. D. Garcia 06 de julho, 2016 - 18h59

    O Rio continuará mais lindo !
    ArquiSantiago RIO !
    Viva el compatriota !

    Deixe sua resposta
  2. allan 06 de julho, 2016 - 08h30

    lindíssimo, espero poder ir vê-lo pessoalmente, parabéns a todos!!!

    Deixe sua resposta
IDD NEWS
19 de abril de 2017
Eventos e Oportunidades
Por: Instituto IDD

5 motivos para nunca parar de estudar sobre construção

Um estudo constante é o que vai te diferenciar frente a todo o mercado da construção. Saiba o por quê. Primeiro: é de conhecimento geral que a quantidade de normas técnicas brasileiras (NBR) da(...)

13 de abril de 2017
Engenharia Civil
Por: Instituto IDD

Tudo sobre industrialização e pré-fabricação na construção civil - Parte III (Final)

Vem saber tudo sobre o assunto com a terceira parte do conteúdo do Professor e Engenheiro Marcus Sterzi, para o IDD News.Ao longo dos próximos meses estarei apresentando assuntos relacio(...)

12 de abril de 2017
Engenharia Civil
Por: Instituto IDD

Sistema de protensão: Todos os fatos que você precisa saber

Conheça os princípios básicos do sistema de protensão e domine o campo das estruturas protendidas! “Esforços compressivos induzidos pelas cordoalhas de a&(...)

06 de abril de 2017
Engenharia Civil
Por: Instituto IDD

Por que amamos as vantagens do concreto permeável (e você também deveria)

Ganhando uma abrangência maior, o material também ganhou novas possibilidades de atuação. O concreto permeável já não é um produto novo do m(...)

05 de abril de 2017
Engenharia Civil
Por: Instituto IDD

Como explicar Retração do Concreto para sua mãe!

Sua visão sobre retração plástica nunca mais será a mesma depois dessa explicação.Para quem trabalha na área de patologia, ou ainda quer atuar, (...)

30 de março de 2017
Engenharia Civil
Por: Instituto IDD

5 motivos para planejar obras com o BIM

Se você ainda tem algum pré-conceito contra a nova tecnologia, é melhor dar uma olhada nisso.Um planejamento de obra tem como seu principal elemento o orçamento ligado ao pr(...)